Notícia:

15 MAR 2016

O "gift card" ou "cartão presente" é uma alternativa para quem deseja consumir conteúdo digital mas não tem cartão de crédito ou não quer informar seu número de cartão por questões de segurança ou privacidade. Google Play e Netflix são alguns dos serviços que já lançaram essa modalidade de venda pré-paga de créditos no Brasil. A produção e comercialização é feita através de parceiros como a ePay. De acordo com seu diretor de marketing no Brasil, Rogério Lima, as vendas desse produto no País estão crescendo em média 20% ao ano.

"O consumo desses cartões não está tão difundido aqui como está na Europa ou nos EUA, onde você entra em uma loja e vê um paredão de gift cards. Mas o Brasil está caminhando nesse sentido", avalia o executivo. Ele diz haver um fator de aspiração social contribuindo para o crescimento: há muitos jovens com um smartphone no bolso e ávidos para consumir conteúdo eletrônico, mas sem cartão de crédito. A saída é comprar um cartão pré-pago da loja de aplicativos, ou de outros serviços específicos de entretenimento digital.

Só de cartões da Google Play, a ePay comercializa 200 mil por ano no Brasil e espera que esse volume aumente entre 25% e 30% em 2016. Os valores de face, no caso da Google Play, são R$ 30, R$ 50 e R$ 100. O tíquete médio é de R$ 46. Os cartões pré-pagos da Google Play são encontrados em supermercados Pão de Açúcar, Fnac, Saraiva e outras redes varejsitas, totalizando 1,2 mil pontos de venda no Brasil inteiro. Os cartões da Google Play são vendidos no Brasil desde 2012.

A Netflix, por sua vez, entrou nesse mercado em novembro passado no Brasil. São vendidos cartões de R$ 30, R$ 70 e R$ 150. A ePay vem registrando desde então uma média de 10 mil unidades comercializadas por mês. Como ainda está no começo da operação, é difícil identificar o perfil médio do público, mas Lima acredita ser mais velho que aquele dos cartões da Google Play, provavelmente pais de família desbancarizados.

O serviço de streaming de música Deezer será o próximo a oferecer cartões pré-pagos no Brasil com a ePay. A previsão de início das vendas é maio deste ano. E há outros em negociação para serem lançados em 2016.

Bloqueio e desbloqueio

Por segurança, os cartões expostos nas prateleiras são bloqueados. Se por acaso forem furtados, o ladrão não consegue liberar os créditos. O desbloqueio acontece quando o cartão tem seu código de barras escaneado no caixa do ponto de venda. Depois disso, basta o consumidor informar o pin dentro do serviço digital correspondente.

A ePay quer começar a vender cartões-presente em formato digital, ou seja, através de sites e apps de e-commerce. Neste caso, o pagamento poderia ser feito por boleto bancário ou cartão de crédito. Mas esse novo passo depende da concordância dos provedores dos serviços digitais, ou seja, Google Play, Netflix etc. "Nossa plataforma está preparada para a distribuição digital no Brasil. Mas dependemos da estratégia dos nossos parceiros. Na visão deles ainda é preciso explorar mais o produto físico. Vale lembrar que o cartão presente também é um instrumento de branding. A versão digital virá numa segunda fase. Talvez demore mais um ano para chegar aqui", avalia.