Notícia:

07 MAR 2016

No mês passado, o Facebook viu seu plano de oferecer acesso à internet em locais remotos da Índia ser frustrado devido a proibição do Free Basics pelos reguladores do país. De acordo com o governo, o serviço do Facebook violava o direito de internet livre para todos os usuários ao proporcionar acesso livre a apenas uma lista selecionada de sites e aplicativos, incluindo o Facebook. No entanto, o Google não tem encontrado a mesma objeção com o Project Loon. De acordo com o diretor do Google na Índia, Rajan Anandan, a empresa tem conversado com empresas de telecomunicações para transformar o Project Loon em realidade, oferecendo Wi-Fi através de balões em áreas remotas da Índia. "O real provisionamento do serviço é feito por uma empresa de telecomunicação local", explicou Anandan. "Nós não podemos fazer um piloto do Loon sem parceria com uma empresa de telecomunicações". Anandan ainda descreveu que o "governo tem sido muito favorável", o que revela que o Google não deve enfrentar o mesmo problema que o Facebook em relação à regulamentação do serviço. Diferentemente do Free Basics, o projeto da gigante das buscas oferecerá acesso livre a todos os sites da internet por meio de conexão 3G. A companhia de Mountain View iniciou os testes com os balões na Nova Zelândia e conseguiu mantê-los na estratosfera durante vários dias oferecendo sinal 3G para estações de recepção no solo. Com melhorias e adaptações no projeto, o Google levou os balões até o Brasil e os Estados Unidos. Um dos balões conseguiu dar a volta ao mundo em 22 dias, enquanto que outros balões foram desenvolvidos para permanecerem no ar por mais de 100 dias. A Índia tem sido um dos alvos principais de projetos como o Loon, visto que 880 milhões de pessoas, o que significa 68% da população total do país, vivem em regiões rurais ou de difícil acesso com nenhum ou pouco acesso à Internet.